Travessias

Travessia Bonete X Castelhanos – IlhaBela SP

Um trekking com belas praias e cachoeira

Bora relatar a eleita das mais belas travessias do litoral de são paulo, é claro que não é por acaso esse titulo.

Esse trekking emocionante e desafiador, cheio de mirantes de tirar o folego fica localizado nada mais nada menos do que na ilha da princesa, a  famosa Ilhabela que foi dada para a princesa Carlota Joaquina por Dom Pedro I 
você sabia dessa?

Pois é a Princesa recebeu esse pelo presente de Dom Pedro no inicio chamava -se ilha da princesa mais a diante veio receber  o nome de IlhaBela.

Mas vamos deixar a história de lado e começar a relatar sobre essa travessia de 3 dias que fizemos do extremo sul da ilha até o Norte.

Percorrendo 44km da portaria do parque estadual da serra do mar no Borrifos inicio da trilha até a portaria da trilha de Castelhanos.

As praias do percurso são:

Praia do Areado | Praia do Bonete | Praia de Anchovas | Praia de Indaiaúba | Praia vermelha | Praia mansa | Praia de Castelhanos.

Apesar de ter várias praias no roteiro também podemos contar com mirantes entre as praias, vale relatar que o nível de dificuldade da trilha é de médio a pesado por ter várias subidas e trechos de morro com mata fechada no percurso.

mas depois de um sobe morro de lascar sempre tem aquele mirante maravilhoso para respirar e contemplar que com certeza vale a pena o esforço não é mesmo?

Durante o percurso também passamos por cachoeiras e rios logo  no início da trilha temos a cachoeira da lage que é uma  parada obrigatória  para se refrescar antes de chegar a praia do bonete.

Chegando na cahoeira da Lage

Curiosidades

Ilhabela é um dos únicos municípios–arquipélagos marinhos brasileiros e está localizado no litoral norte do estado de São Paulo, microrregião de São Sebastião. É formada por um conjunto de 14 ilhas e ilhotes, sendo que a maior ilha é a de São Sebastião, onde está localizada a sede administrativa do município e o Parque Estadual de Ilhabela.

 

No percurso você vai encontrar belos mirantes de antes de descer para a praia seguinte e depois de subir os morros e passar por elas.

Para quem faz pela primeira vez é sempre uma surpresa maravilhosa e um presente deparar com uma vista incrivel do alto, isso com certeza anima qualquer trilheiro.

A primeira parte da trilha é chegar a praia do bonete após ter passado pela  cachoeira da lage e a praia do Areado muitos passam batido essa praia que vale a pena conhecer é lindissima formada de rochas e pedras  ainda sem areia é sensacional você tem a impressão de uma praia selvagem e inóspita além de poder acampar como fizemos em uma noite de lua cheia o visual  do jantar com certeza foi sensacional.

Vale lembrar  que devemos sempre ter o respeito e a consciência de levar o lixo, não deixar alimentos e resíduos na natureza após um acampamento não é ideia fazer fogueiras, mas se o fizer mantenha ela bem apagada para evitar queimadas são cuidados essenciais para campings selvagem.

Todos os nossos campings desse roteiro de 2 noites e 3 dias foram selvagens decidimos passar por essa experiência para conhecer e desbravar um pouco  mais da região.

pôr-do-sol Praia do Areado

Porém há várias opções de campings nesse trekking pagos para reserva a praia do bonete é uma das opções com hospedagens diversas camping, hostel e pousada vou deixar aqui também ao final da matéria dicas de camping para você que vem de fora chega na ilha  um dia antes e quer descansar para iniciar  a trilha no dia seguinte. 

Os locais que acampados foi na praia do Areado como relatei a cima após passar pela segunda ponte na trilha do bonete esta a placa praia do areado entrando lado mar e caminhando a aproximadamente 500m você acessa essa praia exuberante vale lembrar que na praia tem água doce e riachos que correm para o mar bica de agua doce também para cozinhar.

A vila e a praia do bonete

Sem dúvida essa travessia é uma das mais bonitas do litoral norte a cada trecho no percurso é  salgar o corpo na praia e refrescar -se nos Riachos depois.

A um pouco sobre  a vila do bonete que é parada obrigatória se não para camping mas para o descanso e banho de mar apreciando esse visual, conhecendo um pouco mais sobre a cultura caiçara local.

A praia tem uma faixa de  600m de areia com o rio Nema desaguando no canto, cheio de canoas coloridas tradicionais de lá. À frente, um mar azul que é um sonho pra quem curte pegar onda. E não é daquela pra pegar jacaré, não. É onda grande, de uns 3m de altura, pra surfista fazer a festa.

A comunidade caiçara mantém sua tradição até hoje  a vila  do bonete é composta de pescadores, caçadores gente simples e encantadora muito  simples e ao mesmo tempo com um pouco de prosa é possível aprender e ouvir histórias riquíssimas sobre a cultura caiçara local

Quem é o povo caiçara?

Apesar de morar a 22 anos no Litoral norte eu sempre digo quando as pessoas perguntam-me de onde sou digo Sou Caiçara já que neste roteiro é uma viagem também cultural passando por duas das maiores comunidades isoladas da ilhabela que é a comunidade do bonete e a do castelhanos em quesito isolamento fica atrás somente da ilha de vitória em São Sebastião.

Essa região do litoral me abraçou e encontrei aconchego, amigos e profissão aqui no litoral norte desde então procuro dar valor e muito respeito aos que me acolheram e aqui segue um breve relato de quem são essas pessoas que habitam nas ilhas, comunidades e são filhos natos  dessa terra exuberante. 

O caiçara é  aquele que nasce e vive nas cidades de caraguatatuba, Ubatuba, ilha bela e  São Sebastião, que sobrevive da pesca, da agricultura, artesanato e turismo.

Ele vive em pequenas comunidades de forma simples trabalha de forma coletiva, partilha as colheitas e divide o pescado, respeita e protege o mar e a mata, de onde tira o seu sustento, preserva a sua tradição e cultura por meio de danças, músicas, artesanato, festividades e a delíciosa culinária podemos aproveitar e mencionar aqui o peixe com mandioca dentre outras atividades e pratos típicos da região.

Esse povo construiu  a cultura própria, a cultura caiçara vem se transformando ao longo do tempo e se adaptando ao desenvolvimento cultural, político, social e  econômico no litoral norte paulista. 

Minha  admiração  e respeito a todos os caiçaras  assim continuo mais um pouco sobre a travessia

 

Em direção a praia das enchovas e indaiaúba seguimos para  segunda fase da travessia no segundo dia de trilha.

A praia das enchovas não é permitido acampar há poucos moradores no local tem uma pequena casa de farinha artesanal.

Seguindo e subindo a diante  depois  de chegar a Indaiaúba a noite caiu e acampamos em um bambuzal aos pés de um riachinho onde só cabiam mesmo as duas barracas.

Praia das enchovas
Praia de Indaiaúba

A noite foi longa com muitos ruídos fizemos o jantar sem estrutura de camping e tentamos descansar em meio a alto ruído dos bambus estalando na mata.

Foi complicado dormir eu e meu companheiro de trilha fiemos varias pausas na  madrugada para fazer chá e se distrair do barulho da ventania.

Pela manhã o vento deu uma trégua e o silêncio se fez soberano na mata levantamos e fizemos o café da manhã e bora seguir para o último dia  da travessia o destino é a praia de castelhanos.

vale lembrar que antes de acessar a praia de indaiaúba passamos por um condomínio fechado com casas alto padrão não é permitido parar e ficar por muito tempo no  local por ser monitorado  impressionante ter uma estrutura  dessas em meio a uma mata densa e fechada.

terceiro dia da travessia é a parte maior em percurso de mata  fechada se não estiver acompanhado de  guia local aconselho não ir sem navegação ou gps, principalmente neste trecho há varias bifurcações na época que fizemos tinha muitos trechos com troncos caídos as subidas íngremes continuam durante o percurso até chegar a vista tímida da costa da praia vermelha e mansa  por trás.

Nessa parte da trilha eu me senti na selva foi a sensação que a mata fechada me trouxe.

Uma parada para respirar e contemplar

Essa é quase uma vista de despedida ao passar pela parte mais difícil de mata densa da travessia acabam-se os  morros  é simplesmente um mirante para respirar e contemplar não tem palavras para descrever essa beleza aos pés dessa vista chegamos a praia Mansa com uma incrível vista de recepção ambiente bem caiçara e deserto uma ou duas casas no local e alguns caiçaras  a beira mar jogando suas tarrafas.

Na sequência vem praia mansa e  uma pequena vila de moradores onde fazer o trajeto para o castelhanos á pé é comum ver o movimento das pessoas na trilha que passa por  um riachinho e uma leve subida enfim a ultima para avistar praia de castelhanos nosso destino final e ponto de chegada.

Por falar  em contemplação recomendo  fazer essa travessia em 3 ou 4 dias é ideal usar alguns momentos para conexão e as paradas para aproveitar os riachinhos, cachoeiras e praias.

Caso você não vá com guia é ideal conversar com grupo ou parceiro de trilha que vai valer a pena seguir um ritmo muito mais importante do que o chegar e sim o aproveitar a caminhada.

Por fim chegamos a praia de castelhanos a ultima do roteiro destino final do nosso trekking da parte sul até norte passando por praias e paisagens incríveis.

Ao chegar na praia de castelhanos descanse tire as botas e coloque os pés no mar, delicie-se com uma agua de como geladinha e um peixe caiçara em um dos vários quiosques a beira mar.

Neste dia a maré estava muito alta na praia do castelhanos outra dica também é deixar as mochilas e visitar o mirante do coração logo a 5 minutos da ponta da praia o visual é incrível para bahia de castelhanos uma vista sensacional.

Na praia do castelhanos também possui   camping diversas opções para se escolher uma comunidade queda para ser acessada por veículo 4×4.

Diferente da comunidade do bonete que relatei a cima, a estrutura do castelhanos já é melhor possui energia elétrica e wi-fi a pesar da estrada de acesso ser bem ruts e longa.

é comum fazer a locação de jipes principal veículo de locomoção no nosso caso subimos de jipe já reservado para nossa volta.

A reserva dos jipes é facilmente feita por jipeiros da região na vila da ilha ou contato direto. 

E assim termina mais uma travessia pelo litoral paulista se você gostou da matéria, deixe seu comentário ou dúvidas assim me incentiva a sempre relatar os trekkings e trilhas.

Preserve sempre a natureza, leve seu lixo e não faça fogueiras vamos desfrutar dessa conexão divina com consciência.

Agradeço a parceria dessa travessia meu amigo Fabiano Santos foi um prazer ter a sua Cia e experiência compartilhar  momentos incríveis.

 

Indicações e contatos:

Guia:  oke-a ventura

Jipes: Castelhanos Tur

Camping na ilhabela: Velim camping

Hostel na Vila: Hostel da vila

Consultora de negócios imobiliários | Blogueira | Mochileira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

%d blogueiros gostam disto: